Batman – The Dark Knight – Especial “Why so serious?”

O texto abaixo é totalmente composto de spoilers então se você não viu o filme e não quer ter estragada sua supresa/graça/diversão não leia este texto, veja o trailer abaixo e corra para o cinema mais perto de você.

Bom, vocês foram avisados, daqui por diante é por sua conta.

Tem certos papéis que parecem ser feitos com a certeza de que serão os últimos. Muitos atores ao longo de suas vidas não viveram para ver nas telonas o trabalho magnífico que fizeram, Brandon Lee o filho de Bruce Lee foi um deles com seu memorável “O Corvo”, estranhamente seu pai também morreu muitos anos antes também serm seu último filme vítima de um AVC, e com certeza Heat Ledger entra com méritos para essa galeria. Clique aqui e veja os 16 melhores atores que nunca viram o seu último filme estrear!

O inesquecível Corvo the Brandon Lee, mesmo destino do pai.

O Joker de Leadger segue uma linha até então inimaginável pra mim,( e isso é mérito dos roteirista)  a de um gênio do crime, sempre cinco passos a frente de todos (inclusive do Batman que não consegue achar padrão em suas ações), sempre buscando manipular a todos para provar seu ponto de vista e conseguir seus objetivos (lembrou-me do “Ben” de Lost).

Esse novo Joker sabe exatamente seu papel no mundo, sabe que ele é a contraposição clássica que sempre vemos de forma tácita no mundo dos heróis ou seja, uma “aberração”como ele não tem sentido de existir sem uma contraposição natural, outra aberração, no caso o Batman! Alguém que também faz coisas que pessoas ditas “normais”não veriam nenhum sentido. Afinal que é mais estranho? Queimar uma montanha de dinheiro  como o fez o Joker que é um ferrado na vida, todo deformado ou pular de prédios vestido de morcego enquanto se poderia estar com as mais belas mulheres nos melhores lugares?

O Joker segue a missão de agente do caos absoluto, dispensando todas as convenções em prol de estabelecer um mundo onde sua lógica se prova pela prática, e faz isso com maestria mesmo quando aparentemente errado ele consegue se provar certo. Se por um lado as barcas não foram detonadas por outro Harvey Dent se torna o duas caras e Batman um bandido aos olhos da cidade. O Joker mostra isso inúmeras vezes, quando ele vai explicar suas cicatrizes e sempre conta uma história diferente, sempre a tornando mais perturbadora para quem ouve, traço muito maior de genialidade do que de loucura. Esse novo Joker tem elementos de Hanibal Lecter entremeados no seu agir.

Why so Serious? Este joker tem no sadismo de suas ações sempre significativas a grande piada, rir pra que?

Esta seqüência busca beber da mesma fonte do primeiro filme, ou seja, imbuir detalhes com o máximo realismo, mas sem perder as características que fazem sucesso no gibi. Leadger passa longe do palhaço que vemos no primeiro Batman de Michael Keaton (interpretado pelo grande Jack Nicholson), o novo Joker aparece expressando seu viés cômico da forma mais cínica e cruel possível, um humor negro cru, onde sua gargalhada só aparece para desconcertar seus adversários em pontos chave. O novo coringa passa a maior parte do filme sério e embora suas cicatrizes sejam suaves se comparadas as de Harvey Dent são muito mais perturbadoras.

Nicholson X Leadger

Nessa versão o maestro Joker cria Duas caras usando o maior símbolo de Gothan e tendo como solistas Batman e Gordon. No mais o fio conduzido neste longo filme é um tributo ao talento de Ledger, que fica imortalizado e cria um problema para os autores da franquia que mataram duas caras e mantiveram vivo o Joker, Agora com Leadger morto e o ator Aaron Eckhart (Duas caras) vivo acabou-se por matar um ótimo vilão e manter vivo alguém que infelizmente não está mais entre nós.

Aaron que personifica o famoso “Duas Caras” tem neste filme uma construção espetacular, e que embora diferente dos quadrinhos fez algo que raramente se vê bem feito no cinema, coloca um grande homem com ideais sinceros sendo destruído ao ponto da insanidade e tornando-se um vilão. A personalidade de duas caras é perfeita, obcecado com justiça e tendo uma psicose lhe turvando o bom senso ele acredita continuar sendo a mão da justiça, e o roteiro se entremeia de detalhes ricos que só contribuem para o crescimento do filme. Até o rosto anguloso de Eckhart que lembra os clássicos políticos americanos contribue para dar-lhe mais credibilidade neste papel na primeira fase, já na segunda a  maquiagem depois do acidente torna-se uma verdadeira homenagem aos fãs de quadrinhos, já que até o repuxado da boca e o olho sem pálpebras foi mantido, tornando-o idêntico ao persoangem dos HQ’s (E uma antítese do bobo alegre Tommy Lee Jones).

Vale ressaltar que o cargo de promotor nos EUA é eletivo e, portanto coisas como arrecadação de fundos e popularidade são fundamentais para manutenção do cargo.

Bons filmes são feitos de detalhes, um bom exemplo é que em momento nenhum Gordon ou Batman contam para Dent que o Joker falou os locais onde cada um estava invertido e que Batman estava na verdade atrás de Rachel (com certeza a mais sem graça do filme, mesmo para alguém que vai ser morta) e não de Dent, o que num primeiro momento traz confusão a quem vê já que Dent estava resignado em morrer desde que Rachel fosse salva, mas ninguém se atreve a cruzar esta linha, pois todo o filme é movido por valores e seria no mínimo covardia oferecer este tipo de justificativa para alguém na posição de Dent e o mais interessante é que Alfred faz o mesmo queimando a carta de Rachel para Bruce, pois sabia que ele precisava de mais essa motivação para a construção do herói que Gothan precisava, realmente um filme que não podia ser contado em 90 minutos, o sentimento cheira a 300.

E o oscar de melhor maquiagem vai para…

Falando de Rachel Dawes a ausência da Sra. Tom Cruise (Katie Holmes) é sentida do começo ao fim, não só pelo critério de continuidade, mas pela total falta de carisma e personalidade (e porque não dizer beleza) da nova atriz Magie Gyllenhaal (que fez Giselle Levy em “O sorriso de Mona Lisa” ) que não faz ninguém ficar com pena após ser explodida em milhões de pedaços, e acaba por causar uma falta de mote para tanta raiva de Dent tamanha a apatia da moça. Eu nem sou muito fã da Sra. Holmes, mas com certeza ela teria outro impacto quando sua boquinha torta fosse explodida, eu escalaria Jennifer Connely para o lugar de Holmes, além de mais bonita que Gyllenhaal ela tem muito mais carisma e causaria um efeito maior tanto para Dent quanto para Bruce.

Da esquerda pra direita Magie Gyllenhaal e Katie Holmes uma briga injusta.

Uma boa opção seria Jennifer Connelly, mas já que é pra matar que se mate uma mocréia, disseram os diretores

Um filme sobre Batman e não sobre Bruce Wayne é definitivamente a conclusão a se tirar sobre Dark Knight, o que é compressível afinal o caráter de Bruce foi muito bem construído no primeiro filme, e neste teríamos a longa e detalhada construção de Dent, o processo de conhecimento do Joker (ainda bem que não foi um processo de construção para nascimento no próximo filme senão teríamos que conviver com um “quase” terrível) e o término da construção de Gordon ao chegar ao posto de comissário. Podemos notar isso, por exemplo, nas tentativas de se explicar todas as invenções que Batman usa, criando efeitos de causa e conseqüência, como por exemplo, quando ele encomenda sua nova armadura a mesma fica mais leve e flexível, mas perde poder defensivo, isso sempre traz credibilidade a uma história de um homem sem super poderes que luta contra o crime tendo como maior arma seu treinamento e seu dinheiro, além de ter deixado pra trás um pouco daquela armadura “robocop” que lembrava muito mais a aparência do Azrael quando assumiu o lugar de Bruce do que do próprio milionário.

A armadura criada por Azrael quando ocupou o lugar de Burce Wayne.

Girar o pescoço é upgrade em Dark Knight, realismo é isso aí!

Bat-mamilos nunca mais! O_o

Melhoro tio!

O arsenal de Bruce também deve ter notável menção por não cair na tolice que todos os outros filmes caíram, a do “cinto de utilidades infinito” onde se vê coisas como patins de gelo embutidos nas botas e descongeladores automáticos (Batman e Robin) desde Batman begins o que se vê é um Batman que quebra a cara primeiro ao se deparar com uma situação e só depois cria uma solução para ela dentro de um contexto apropriado para o universo proposto. O filme ainda vai mais longe, tentando explicar coisas como “Ei Superman que raio de disfarce é um par de óculos?” ou “porque você usa a cueca por cima da calça?” este momento é muito claro quando o auxiliar de Lucius acha os projetos do batmóvel (que felizmente nem tem este nome terrível) e pede suborno. Oras, um projeto daquela magnitude e tão diferenciado não podia passar sem ninguém perceber só porque foi pintado de preto, e o nervo é pinçado e resolvido com muita classe por Fox (pelo menos ele e nós pensamos que sim).

Bat-repelentes-de-tubarão ao ataque!!!

Quanto ao resto do elenco todos se comportam como muita competência, Cristian Bale continua merecendo o título de melhor Batman e melhor Bruce Wayne, Morgan Freeman como sempre está ótimo com seu Lucius Fox, Gary Oldman é o próprio Gordon (medo O_o), com uma construção maravilhosa desde sargento até o famoso comissário e os demais que não merecem mais aprofundamento, mas cumpriram seu papel, deixando menção honrosa para o prisioneiro da balsa que joga o detonador fora e fez um dos melhores momentos do filme ao meu ver, mostrando que decidiu por coragem enquanto os “bons cidadãos” decidiram por covardia.

As leitoras do blog me obrigaram a colocar pelo menos uma foto do Mr. Cristian Bale, então aproveitem, com o sistema de cotas do EC outra só na próxima olimpíada.

Gary Oldman dá brilho ao sempre esquecido Gordam.

Elenco: (clique nos links para saber sobre a vida e ver mais fotos)

Christian Bale …  Bruce Wayne / Batman
Heath Ledger …  The Joker
Aaron Eckhart …  Dist. Atty. Harvey Dent / Two-Face ou duas caras
Michael Caine …  Alfred
Maggie Gyllenhaal …  Rachel Dawes blé!
Gary Oldman …  Gordon
Morgan Freeman …  Lucius Fox
Monique Curnen …  Det. Ramirez (como Monique Gabriela Curnen)
Ron Dean …  Detective Wuertz
Cillian Murphy …  Scarecrow
Chin Han …  Lau
Nestor Carbonell …  Mayor Anthony Garcia
Eric Roberts …  Salvatore Maroni
Ritchie Coster …  Chechen
Anthony Michael Hall …  Mike Engel

7 Respostas

  1. EC,

    Parabéns, excelente review de um filme realmente muito bom.

    Abraços.

  2. Oi Wil, obrigado meu amigo.
    Abraço

  3. tava passando no google pesquisando sobre o grande heat ledger e abri esta página ..um comentario realmente muito interessante sobre um filme realmente magnifico.. n resisti em ler tudo🙂 parabens!

  4. Obrigado Maria é por estas e outras que eu ainda escrevo este blog.
    Volte sempre e sinta se em casa.
    EC

  5. Parabéns pelo review!!!
    Estava procurando saber sobre Heath Ledger e achei sua página…
    Realmente está de parabéns.
    Pena que no review do próximo filme não teremos mais nada sobre a excelente atuação de Ledger…
    Abraços,
    E novamente, parabéns.

  6. Fala Neto, obrigado cara, de fato vai ser uma perda e tanto, mas como bem disse Getúlio Vargas, “saiu da vida pra entrar na hitória” com essa atuação simplesmente irretocavel.
    Abraço do EC

    estamos de endereço novo:

    http://inblogs.com.br/elementocortante/

  7. The dark Knight é com certeza o melhor filme baseado em personagens da BD. A unica coisa que acho que Christopher Nolan falha é explorar mais o lado detective do Batman,que na BD é considerado o maior detective do mundo.Também o vilão Espantalho devia ter uma maior participação neste segundo filme.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: